Scooter Dafra Smart … 25 mil quilômetros com uma

Desde que experimentei uma Scooter pela primeira vez decidi que era o estilo que adotaria para pilotar uma motocicleta. Conforto, câmbio automático e estilo imortalizado pelas Piaggio italianas, o scooter é o veículo ideal numa cidade caótica como São Paulo. Meu primeiro Scooter foi um Sundown Future que não rendeu grandes surpresas além de uma correia CVT partida quando eu atravessava a Ponte Estaiada às 23h30 e dor de cabeça com carburador. Também sofria com a falta de peças.

Depois tive uma Honda Lead que era muito boa mas fui assaltado quando saía de um shopping em janeiro de 2010. Ao consultar alguns amigos especialistas sobre a próxima moto, meses depois, comprei uma Dafra Smart. Queria um scooter que fosse prático, acessível, econômico, não visado pelos ladrões e confiável, e decidi apostar na marca. Afinal o scooter é fabricado pela Haojue chinesa, na mesma unidade de onde saem os nossos Burgman, que naquela época ainda tinha carburador eletrônico enquanto a Smart já tinha injeção.

Como eu rodo com a motocicleta no dia a dia em inúmeras reuniões, eventos, e para ir e voltar ao trabalho (cerca de 30Km por dia), precisava de um produto que fosse robusto e fiquei indeciso sobre a Burgman e a Smart, mas naquela ocasião, a injeção eletrônica foi determinante. Eu não queria mais revisar o carburador a não ser dos carros antigos que tenho.

Me acostumei facilmente ao Smart 125 comprada na extinta concessionária Dafra da Av. Rudge Ramos, região central da cidade. Boa arrancada, estabilidade, bom espaço sob os bancos, painel com mostrador digital e tamanho ideal para circular.

Porém logo nos primeiros dias notei um barulho seco vindo da parte de baixo da moto ao passar em buracos. Apesar dos buracos inevitáveis ela se vira bem com seus diminutos pneus. Ao levar na concessionária Dafra Itaim (perto do trabalho) o mecânico me disse que era o baú da moto a origem da batida. Desconfiei mas como a moto não tinha problema mecânico algum, segui adiante e convivi com esse barulho por meses.

Fiz as primeiras revisões na mesma concessionária Dafra Itaim, inclusive as trocas de óleo, ainda que seus mecânicos não soubessem como apagar o aviso luminoso do painel. Tudo ia bem, sem qualquer surpresa. Meses depois notei que o aviso da bateria piscava com frequência e na revisão seguinte me recomendaram a troca da bateria mesmo com apenas seis meses de vida.

O preço era alto mas fiz a troca por garantia e segurança. Algum tempo depois a luz voltou a acender e ao desmontar o compartimento achei estranho que uma bateria nova de reposição tivesse aparência de original. Desconfiei e o pior se confirmou: a concessionária não trocou a bateria mas recarregou a mesma peça original, o que rendeu uma reclamação direto na fábrica. Fui bem atendido, recebi feedback de um supervisor da Dafra, e fui ressarcido do prejuízo. Depois disso deixei de levar a Smart a esta concessionária e comprei uma bateria fabricada no Brasil de boa qualidade.

Foi quando soube que a Motoplace em Moema passava a representar a bandeira Dafra e como já conhecia os serviços da equipe voltei a fazer revisões com eles. Sempre fui muito bem atendido por lá. Na primeira revisão reclamei do insistente barulho e o veredito me surpreendeu. Era o quadro mal ajustado que causava o barulho, um erro de montagem, mas que não foi percebido pela equipe da Dafra Itaim.

Tudo consertado, até mesmo um ajuste no freio dianteiro que causava desligamento do painel e que deu origem a um recall que eu não fui informado. Equívocos à parte, a moto nunca apresentou qualquer defeito e fiz todas as substituições previstas como troca da correia CVT aos 14 mil km, troca dos pneus aos 18 mil Km (comprei via internet da marca Metzeler por 30% menos do que o preço da oficina), e nada além disso.

Filtros, borrachas e outros itens também foram substituídos mas sempre num valor acessível e com bom serviço. Uma das grandes vantagens da Motoplace é a agilidade da oficina: entreguei a moto às 9h e sempre peguei de volta no mesmo dia. Afinal trabalhar de carro é inviável.

Certo dia no bairro da Liberdade um motorista acabou derrubando a moto parada, estacionada na Rua São Joaquim. Atencioso, prontamente acionou o seguro e foram substituídas 3 peças da carenagem na própria Motoplace após 20 dias de espera, sem que a moto ficasse parada. Outra vez o filho de um vizinho derrubou a moto (para o outro lado) no estacionamento do prédio onde moro. Neste caso o vizinho foi irresponsável e não arcou com o prejuízo que foi pago por minha conta e jamais ressarcido. O valor das peças de carenagem assusta. Tive que trocar o escudo, lateral, e mais duas peças ao custo de R$ 1,2 mil. No entanto em nenhuma das duas quedas houve danos mecânicos.

Cheguei a fazer viagens curtas como uma ida ao litoral sul, e mesmo com as limitações de um scooter urbano, a Smart sempre atendeu com perfeição. Nunca tive qualquer surpresa com o motor, sistema de alimentação, freios ou coisa do tipo. Costumava abastecer com gasolina comum ou podium, quando notava uma melhora significativa no desempenho.

A partir 20 mil Km passei a estudar a possibilidade de vender a Smart e adquirir uma Citycom 300i que me agradava pelo porte, posição e desempenho. Consultei alguns especialistas em moto para o meu veredicto e novamente abri mão da cara Burgman 400 em favor da Citycom que é ágil, e tem desempenho equivalente com ótima relação entre custo e benefício.

Aos 25 mil KM rodados, dou nota 9 para a Dafra Smart. Ela é estável, ágil, confiável e muito econômica (média de 40 Km/l), sendo uma excelente opção de scooter urbano. Nunca tive qualquer surpresa com ela, e sempre me atendeu com perfeição. Faço ressalva quanto ao atendimento da Dafra Itaim, concessionária das mais antigas da rede e com serviço de qualidade duvidosa, e também a falha de comunicação do recall. Ainda assim, sempre que necessário fui atendido nas duas reclamações feitas com muita presteza pela equipe Dafra.

Agora é a vez de testar a Citycom 300. Mãos à obra. Em duas rodas.

***

por Marcos Camargo Jr.

***

NOTA : Texto publicado em 26/03/2013 no site MOTONAUTA.com.br