Scooter Kasinski Prima 150

Após uma participação de aproximadamente 10 anos de atuação no mercado brasileiro, a Kasinski foi adquirida, em julho de 2009, pela CR Zongshen do Brasil, uma holding nacional da Zongshen Industrial Group. Os investimentos foram aplicados nas áreas comercial, recursos humanos e fabril.

Os resultados começam a ser percebidos pelo mercado com lançamentos de novos produtos entre 50 e 650 cc de cilindrada, com tecnologia mundial, proveniente da aliança da matriz com empresas da Itália, Canadá, China e Coréia.

Zongshen Industrie Group é um dos principais fabricantes de motocicletas da China e um dos maiores do mundo. Com matriz na cidade de Chongqing, o grupo mantém unidades fabris em diversas cidades chinesas, dentre elas a de Foshan, a qual mantém aliança com a italiana Piaggio, reconhecida principalmente pela fabricação de scooters na Europa.

Com design e motor de origem italiana, fruto da parceria Piaggio-Zongshen, o scooter Kasinski Prima 150 chega ao mercado brasileiro para suprir a necessidade dos usuários em se locomover nos centros urbanos de forma ágil, econômica e segura.

Disponível com as colorações preto/caramelo, bordeaux/caramelo e amarelo/prata, na versão GTS, o scooter possui bom acabamento e suas carenagens se encaixam satisfatoriamente. O assento, bicolor, tem bom tamanho e é confortável para piloto e garupa. O painel, completo, com velocímetro, hodômetro total, tacômetro, medidor do nível de combustível analógicos e luzes espia, possui uma iluminação discreta mas eficiente.

O conjunto ótico, sinalizadores dianteiros de direção localizados no guidão, lanterna traseira integral e farol, possuem boa iluminação mesmo sob condições adversas de tempo. Os retrovisores, pintados na cor do veículo, poderiam ter maiores opções de regulagem e não permitem, por vezes, um maior ângulo de visão para pilotos de estatura um pouco elevada.

O compartimento de bagagem sob o assento comporta um capacete integral, capa de chuva e botas, além de pequenos objetos, ou dois capacetes abertos. Outro espaço para acondicionar pequenos itens como chaves ou documentos, está localizado na parte frontal do modelo. O inconveniente é que esse compartimento é desprovido de tampa e, em caso de chuva ou de estacionamento do scooter, não será possível deixar objetos nesse local.

Uma facilidade a ser observada é que o bocal de abastecimento de combustível situa-se na parte frontal do scooter, e não sob o assento como na maioria dos modelos, e sua abertura é controlada através da chave de ignição. O tanque de combustível, com capacidade de armazenamento de oito litros, está na parte inferior, sob o piso, permitindo assim a redução do centro de gravidade e melhorando sua dirigibilidade.

O Kasinski Prima 150 possui, ainda, bagageiro em alumínio plastificado e preparado para instalação de baú e pedaleiras para o garupa, também em alumínio, e retráteis. As rodas, de liga leve, aro 13”, montadas com pneus radiais 130/60,  deixam o scooter bem estável em curvas com pisos em bom estado de conservação.

A suspensão dianteira é provida de garfos telescópicos e a traseira, bichoque, é ajustável na pré-carga das molas. O curso da suspensão dianteira é um pouco curto, característico de scooters, e o Kasinski Prima 150 se ressente quando trafegamos em pisos muito ondulados, transmitindo ao condutor as imperfeições do asfalto.

O motor, um monocilíndrico de 150 cm³ , potência máxima de 12,2 cv a 8.000 rpm e torque máximo de 1,20 kgf.m a 7.000 rpm, possui funcionamento linear e pouca vibração. O sistema de transmissão é CVT (Continuously variable transmission) –  transmissão continuamente variável, por polias e correia. Basta ligar o motor e acelerar não sendo preciso, assim, troca de marchas. A partida, elétrica, é eficiente mas um pouco barulhenta, incompatível com sua motorização.

Para se dar partida no motor, é preciso que um dos freios esteja acionado por medida de segurança, pois como não há embreagem, o scooter sempre estará pronto para a saída. Um item que gostaria de ver, é um dispositivo instalado no pedal de apoio lateral, ou seja, um interruptor de ignição  que não permite acionar o motor quando o pedal está na posição extendida. Muitos acidentes com scooters ocorrem por não haver esse tipo de dispositivo: o scooter está parado, com o motor ligado, aparece alguém querendo ouvir o ruído do motor, acelera forte e… lá se vai uma motocicleta sem piloto. O que acontece, a seguir, é óbvio.

O sistema de freios, disco na roda dianteira e tambor na roda traseira, permite frenagens seguras e são suficientes para a imobilização total do scooter. Um pequeno ajuste foi efetuado na unidade testada, pois a princípio o freio traseiro estava um pouco “borrachudo”.

Apesar de o motor ser alimentado por carburador, o Kasinski Prima 150 demonstrou ser econômico. Com pouco mais de 895 quilômetros rodados, a média de consumo ficou em 25,2 Km/l. Com 1.210 quilômetros rodados, a média subiu para 28,4 Km/l, uma boa marca para um veículo novo. O tanque de combustível, com capacidade de 8 litros, permite uma autonomia teórica de 225 quilômetros.

No trânsito urbano, o Kasinski Prima 150 demonstrou ser um veículo ágil e permite mudanças rápidas de direção e é de fácil condução. Em subidas de média inclinação, o scooter chega até a ganhar velocidade durante a aceleração, um dos destaques da motorização Piaggio-Zongshen. A versatilidade é uma das principais características desse modelo.

Com garantia de 3 anos (modelos adquiridos a partir de 18 de abril de 2011) e design italiano, o Scooter Kasinski Prima 150 está credenciado para brigar com seus principais concorrentes no segmento.

***

NOTA : Texto de Hilwaldo França publicado em 31/03/2012 no site MOTONAUTA.com.br

zp8497586rq